Pular para o conteúdo
lançamentos Sociedades de Vidro

“Sociedades de Vidro”: Um Mergulho nas Profundezas da Fantasia e da Realidade Humana

O Livro “Sociedades de Vidro”, de Wellington Rogério Viola, convida o leitor a mergulhar em um universo onde a fantasia e a realidade se entrelaçam de forma magistral. 

A narrativa, feita a partir da ótica das casas dos zodíacos Sagitário, Aquário, Escorpião e Virgem, é rica em detalhes e simbolismos, trazendo cada uma suas peculiaridades e segredos. 

O cenário de “Sociedades de Vidro” é um mosaico de colônias, cada uma representando diferentes aspectos da sociedade e do ser humano. 

Grandária, a colônia central da narrativa, é um exemplo vívido de uma sociedade que, embora avançada e estruturada, esconde fragilidades que podem ser comparadas ao próprio vidro: bela e transparente, mas ao mesmo tempo frágil e suscetível a quebras. 

Essa metáfora do vidro perpassa toda a obra, refletindo a natureza delicada das sociedades e dos indivíduos que as compõem.

Os personagens iniciais da trama, Brenner e Azazele, são figuras complexas cujas jornadas pessoais refletem os dilemas maiores de todo o livro. Brenner, um guardião, é movido por um senso de dever que muitas vezes entra em conflito com suas emoções e impulsos. 

Azazele, por outro lado, é uma figura enigmática, cuja verdadeira natureza e origem são um mistério tanto para Brenner quanto para o leitor.

No primeiro capítulo, temos a figura de Awnrian, que representa a ponte entre o passado e o presente da narrativa. Sua busca pela verdade sobre seu antepassado e a lenda do dragão é um reflexo da busca da sociedade por suas raízes e identidade.

Assim, o livro aborda profundamente o tema do destino versus escolha. Os personagens que se sucedem à obra são frequentemente colocados em situações onde precisam escolher entre seguir o destino ou trilhar seu próprio caminho. 

 

Essa dualidade é simbolizada pela figura do dragão, que é ao mesmo tempo um ser de poder e destruição, mas também um guardião de segredos e sabedoria.

Um tema recorrente na história gira em torno do sentido da palavra sacrifício. Brenner, por exemplo, é um personagem que se sacrifica pelo bem maior, refletindo a ideia de heroísmo que transcende a própria existência. A obra questiona o preço desses sacrifícios e seu impacto tanto na sociedade quanto nos indivíduos.

Para dar conta de toda a complexidade narrativa de “Sociedades de Vidro”, o autor imprime um estilo rico e detalhado, trazendo à tona um mundo vividamente construído

A estrutura narrativa, dividida entre o passado (prólogo) e o presente (capítulo I), cria um diálogo entre as diferentes eras, destacando como os eventos passados impactam o presente.

Por fim, “Sociedades de Vidro” é uma obra que desafia o leitor através de uma narrativa envolvente e personagens complexos. 

Assim, o livro não apenas conta uma história fascinante, mas também oferece um espelho para as fragilidades e forças da natureza humana, oferecendo reflexões profundas sobre a sociedade e o indivíduo, mesmo depois do fim da leitura!

Compartilhar

Outros Artigos

PUBLIQUE SEU LIVRO
Informe seus dados
para iniciar sua jornada
de publicação.
Um de nossos Consultores Editoriais
entrará em contato com você para
conversar melhor e explicar como
você pode publicar o seu livro!