Pular para o conteúdo
Malévola - livro - Filme

Malévola: 6 dicas para desenvolver vilões que cativam os leitores

A criação de personagens é uma das mais intrincadas artes no universo literário. E quando falamos de vilões, a complexidade se intensifica. Um exemplo emblemático dessa maestria é a personagem Malévola, que evoluiu de sua origem literária para se tornar um ícone cinematográfico.

A figura de Malévola tem suas raízes em contos de fadas tradicionais, mas foi a interpretação da Disney que a elevou ao estrelato global. Introduzida ao público em 1959, no filme animado “A Bela Adormecida”, a personagem ganhou uma nova dimensão com a adaptação live-action de 2014, protagonizada por Angelina Jolie, que arrecadou impressionantes $750 milhões em bilheterias ao redor do mundo.

Quem é Malévola?

Malévola: Quem é?Malévola, originária dos contos de fadas, é uma fada de imenso poder e majestade. Em sua primeira aparição ao público, ela foi retratada como a personificação do mal, amaldiçoando a inocente princesa Aurora a um sono eterno, apenas por não ser convidada para seu batizado. Seu nome, derivado da palavra “malévolo”, já sugere sua natureza maligna e suas intenções sinistras.

No entanto, a reinterpretação contemporânea da Disney sobre a personagem nos oferece uma visão muito mais matizada e complexa. A Malévola moderna não nasceu má. Ela era uma jovem fada com asas magníficas, que vivia em harmonia com as outras criaturas mágicas nos Moors.

Sua transformação em vilã foi o resultado direto de uma traição dolorosa por parte de Stefan, um humano que ela amava. Em sua dor e raiva, ela amaldiçoa sua filha, Aurora, mas ao longo do tempo, forma um vínculo inesperado com a jovem princesa.

Este retrato da Malévola como uma figura trágica, cujas ações malignas têm raízes em traumas pessoais, a torna uma personagem muito mais identificável e multidimensional.

Ela não é apenas uma vilã, mas uma vítima de circunstâncias, tornando sua jornada de vingança a redenção ainda mais envolvente. Sua complexidade, juntamente com sua força e vulnerabilidade, a torna uma das vilãs mais icônicas e memoráveis da literatura e do cinema.

De vilões odiados para vilões amados

Historicamente, a literatura tem se apoiado em arquétipos claros: o herói virtuoso e o vilão desprezível. O vilão, muitas vezes, era uma representação simplista do mal, criado para ser odiado e eventualmente derrotado pelo herói.

No entanto, a literatura contemporânea tem desafiado e reconfigurado esse paradigma tradicional, apresentando antagonistas que são mais matizados e complexos.

A evolução da narrativa moderna reflete uma compreensão mais profunda da psicologia humana. Os autores reconhecem que a maldade raramente é inata; muitas vezes, é o produto de traumas, circunstâncias adversas ou decisões equivocadas.

Em vez de vilões unidimensionais, a literatura contemporânea nos apresenta personagens que habitam áreas cinzentas, tornando-os mais identificáveis e, paradoxalmente, mais humanos.

Esta mudança também pode ser vista como uma resposta à demanda dos leitores por histórias mais autênticas e personagens mais profundamente desenvolvidos.

Os leitores de hoje não se contentam apenas com o bem contra o mal; eles querem entender as motivações, os medos e as aspirações dos personagens, mesmo daqueles que desempenham papéis antagonistas.

Além disso, a redefinição do vilão reflete uma sociedade mais empática, que busca compreender antes de julgar. Em vez de vilanizar, a literatura moderna busca humanizar, mostrando que, por trás de cada ação, há uma história, e por trás de cada vilão, há uma pessoa com emoções, desejos e, muitas vezes, traumas.

Malévola é um exemplo perfeito dessa tendência. Em vez de ser apenas a “Mestra de Todo o Mal”, ela é retratada como uma figura trágica, cujas ações são o resultado de traições e dores passadas.

Ela não é simplesmente má; ela é uma personagem multifacetada que evoca empatia e compreensão.

Quais características de Malévola cativaram o público

A construção de um vilão envolvente é uma tarefa meticulosa que exige uma compreensão profunda da psicologia humana e da narrativa.

Malévola, com sua complexidade e profundidade, é um exemplo de como um vilão pode ser mais do que apenas uma força antagonista. Vamos explorar as características que tornam Malévola uma personagem tão cativante.

Fundamentar as ações do vilão

As ações de Malévola não são meramente impulsos malignos. Elas são o resultado de experiências traumáticas e traições que ela sofreu.

Malévola amaldiçoando aurora

Sua decisão de amaldiçoar Aurora não foi um capricho, mas uma resposta direta à traição de Stefan, que cortou suas asas para ascender ao trono.

Esta fundamentação dá profundidade à sua maldade, tornando-a uma figura trágica e não apenas uma antagonista.

Explorar o passado onde o vilão era “herói”

Antes da traição que a transformou, Malévola era a guardiã dos Moors, um reino mágico habitado por criaturas místicas. Ela era respeitada e amada, protegendo as terras e seus habitantes com compaixão e força.

Malévola chorando

Este passado contrastante destaca a transformação de Malévola e a torna uma personagem mais identificável.

Detalhar os sentimentos do vilão

A dor, a raiva, o ressentimento e, eventualmente, o amor e a compaixão são emoções que Malévola experimenta ao longo de sua jornada. Em seus momentos mais sombrios, ela é movida pela vingança, mas mesmo então, há lampejos de vulnerabilidade.

Malévola demonstrando afeto à Aurora

Quando ela observa Aurora crescer, seus sentimentos maternais emergem, mostrando que, por baixo de sua fachada dura, ainda há um coração capaz de amar.

Lapsos de compaixão

Mesmo em sua busca por vingança, Malévola não é completamente desprovida de bondade. Ela salva Aurora várias vezes, cuida dela à distância e, eventualmente, forma um vínculo maternal com a jovem princesa.

Malévola salva aurora

Estes momentos de compaixão tornam Malévola uma personagem multidimensional.

Poder e soberania

Malévola não é apenas uma fada comum; ela é uma das mais poderosas de sua espécie. Sua capacidade de lançar feitiços poderosos, transformar-se e controlar elementos naturais a torna uma força a ser reconhecida.

Malévola poderes - Feitiço

Esta posição de poder a torna uma figura imponente, que comanda respeito e admiração.

Narrativa de redenção

A trajetória de Malévola não termina em desespero ou derrota. Ela busca redenção, não apenas para si mesma, mas para os Moors e para Aurora.

Malévola Sorrindo

Esta busca por perdão e paz é algo que muitos leitores podem se relacionar, pois todos anseiam por finais felizes, mesmo para personagens que começam como vilões.

Como construir personagens como Malévola?

Ao criar personagens, é essencial mergulhar profundamente em suas motivações, medos e desejos. Isso é especialmente verdadeiro para vilões. Eles devem ser tão tridimensionais quanto os heróis, permitindo que os leitores se conectem, simpatizem e até mesmo se vejam neles.

Para aqueles interessados em aprofundar suas habilidades na criação de personagens, temos um eBook dedicado a ajudar autores a desenvolver personagens em uma narrativa de ficção. Este recurso é inestimável para qualquer escritor aspirante ou estabelecido que deseja aprimorar sua arte.

Compartilhar

Outros Artigos

Saiba o que faz um editor de livros
Dicas de publicação

Editor de livros: quem é e o que faz?

A figura do editor de livros pode parecer um tanto nebulosa para muitos autores. Afinal, quem é esse profissional e o que ele faz? O

PUBLIQUE SEU LIVRO

Informe seus dados
para iniciar sua jornada
de publicação.
Um de nossos Consultores Editoriais
entrará em contato com você para
conversar melhor e explicar como
você pode publicar o seu livro!